7 pequenas, porém grandes mudanças de atitude na minha vida, me fizeram levar a vida de um jeito mais leve, sem culpa e definitivamente mais feliz:

1. Aceitei que não posso ter controle sobre o que os outros pensam e fazem.

O que as pessoas fazem e pensam é um problema exclusivamente delas, não meu. Não posso sofrer por conta das atitudes do outro. Se uma pessoa está indo por um caminho errado, eu aconselhei e mesmo assim ela continua. Paciência! É o caminho dele.

Se alguém não me procura ou não quer conversar comigo, paciência! Esse alguém sabe como me encontrar. É um direito dessa pessoa. Mas não mais sofro por causa da atitude alheia.

As outras pessoas não vão agir sempre da forma como gostaríamos e manipular o outro para que satisfaça um desejo nosso é simplesmente injusto.

2. Aprendi que eu sou a única responsável por aquilo que me acontece.

Não importa a forma como agiram comigo, mas sim como vou me permitir sentir em relação a isso e o que vou fazer com isso. Se, por acaso, alguém me ofender e eu ficar mal e isso atrapalhar o meu trabalho, por exemplo, eu sou a única e exclusiva responsável por ter me permitido sentir dessa forma.

3. Percebi que não preciso me justificar nem dar explicação a ninguém sobre as minhas escolhas.

A maioria das pessoas não entenderá o meu caminho, mas não tem problema. É o meu caminho e não o delas. Quanto mais nos preocupamos com o que os outros vão pensar, menos autêntica e feliz é a nossa vida.

Você não é obrigado a responder tudo o que te perguntam. Não somos obrigados a dar explicação ao mundo sobre uma atitude. O mundo cobra, você corresponde SE quiser. É a sua vida, suas escolhas, sua felicidade.

 4. Reconheci e fiz as pazes com meu único inimigo: Eu mesma!

“Você não é um Power Ranger para ter inimigos!” Quando ouvi isso, me dei conta de que, na maioria das vezes, criamos desafetos na nossa própria mente muito mais do que na vida real.

Se eu me expliquei, pedi desculpas a alguém por tê-lo ofendido e mesmo assim a pessoa não entendeu ou não quis entender, sinto muito. É um problema dele agora, não meu!

Não se culpe, não crie histórias na sua cabeça, não é preciso tentar ser bonzinho com todo mundo!

5. Afastei-me de pessoas que despertam o pior de mim.

Se despertar ódio, se despertar ciúme, se despertar qualquer sensação desagradável, afaste-se! Alguém que te ama verdadeiramente só se interessa em despertar sensações e sentimentos positivos em você!

Se há provocação, se há maldade, se não desperta aquilo que existe de mais nobre e bonito em você, afaste-se!

A vida é curta demais para tentar entender tudo. Por que sinto isso? Por que essa pessoa me dá ódio? Simplesmente parei! Tentar entender tudo me deixava louca. Se não é agradável, simplesmente não me faz bem.

6. Parei de perder tempo com relacionamentos que não agregam absolutamente nada.

Uma relação, seja qual for a natureza, é feita para acrescentar algo aos dois, para agregar coisas positivas e não para subtrair. Se sinto que não estou evoluindo na minha vida, se essa relação está atrapalhando ou sendo um obstáculo ao meu crescimento pessoal, simplesmente não arrasto o término.

A vida é curta demais para desperdiçar os dias apenas por insegurança, medo e receio.

7. Entendi que ninguém é responsável pela minha felicidade, apenas eu mesma.

Ninguém, absolutamente ninguém é capaz de nos fazer feliz. Se não somos completos por nós mesmos, jamais nos sentiremos felizes apenas por ter outra pessoa.

Jamais deposite a sua felicidade em alguém, na expectativa de que ele/ela irá completar você ou te fazer feliz. Ela já está ocupada demais fazendo feliz a si própria. Cedo ou tarde, as pessoas nos decepcionam e é preciso estar inteiro e bastar a si mesmo para ser feliz. E então, sim, compartilhar essa felicidade plena com quem também se sente inteiro e completo.

Nunca jogue nas costas do outro o motivo pelo qual você não é feliz. O único responsável é você.

Agir dessa forma o tempo inteiro não é tarefa simples, ainda mais tendo vivido durante tantos anos num mundo cheio de negatividade e de egoísmo, onde as pessoas se aproximam umas das outras apenas enquanto lhe traz um benefício próprio.

Mas se a cada acontecimento eu tiver essas mudanças de atitude em mente, com o tempo vai se tornando mais fácil, crio o meu modo de me relacionar com o mundo e, definitivamente, a vida fica mais leve e feliz.

Deixe uma resposta